Como reconhecer uma cadeira ergométrica?

Muito se fala das cadeiras ergométricas. Seja no ambiente do escritório, seja em casa, a maior parte dos profissionais já pensou em adquirir ou adquiriu um móvel deste tipo. Embora possa se ter uma ideia do que é em si uma cadeira ergométrica, não há uma definição exata.

Antes de adentrar às certas características de uma cadeira ergonômica, é preciso ponderar que a ergonomia diz respeito a forma como o usuário se relaciona com a cadeira. Isto é, a ergonomia não é um composto determinado de características. Inclusive, ela pode variar conforme o usuário, ou seja, ser mais ou menos ergonômica depende da pessoa. Vendo isto, percebe-se que a ergonomia tem muito a ver com a forma como a cadeira se adapta ao corpo do usuário e como este a percebe.

Parece um assunto complexo, mas nada mais é que a relação que se dá entre a cadeira e o usuário. O conceito de ergonomia é aplicado ao desenho de produtos e equipamentos para um espaço de trabalho no intuito de reduzir o desconforto, a fadiga e o estresse gerados durante a jornada. Como consequência dessa diminuição de impacto dos aspectos negativos, a ergonomia nos móveis ajuda a aumentar a produtividade.

Características principais que ajudam a reconhecer uma cadeira ergométrica

Uma cadeira ergométrica nem sempre é reconhecida de maneira fácil. Muitas vezes, as estratégias de marketing, o boca-a-boca e as recomendações fazem as pessoas acreditarem que certo produto conta com características ergométricas. Contudo, o resultado pode não ser tão eficiente quanto o desejado. Por isso, recomenda-se que as pessoas partam para a busca da cadeira contando com certos conhecimentos sobre o assunto.

  • Regulagem da altura

Uma cadeira ergométrica deve ter um sistema automatizado que permita ao usuário, uma vez sentado, posicionar as suas pernas formando um ângulo de 90° com o chão. Isto é, que os seus joelhos estejam bem localizados, com as coxas na horizontal, pés apoiados firme e confortavelmente no chão.

  • Assento

Toda cadeira ergométrica deve ter uma borda em cascada para que não pressione a musculatura das pernas e evite cãibras, pés frios e veias com varizes. De preferência, o usuário deve escolher um assento deslizável para frente e atrás devido a que nem todas as pessoas possuem o mesmo tamanho de coxas e quadril. Este detalhe também possibilita que as costas não fiquem tão longe da parte inferior do corpo. Assim sendo, possibilita-se um melhor apoio das costas e reduzirá as chances de dores.

  • Apoio para a cabeça

Uma cadeira ergométrica também possibilita o descanso para a cabeça. Todas as pessoas possuem diversas posturas e medidas, por isso, este apoio deve ser regulável na altura e ângulo. Isso aumenta o conforto. Além disso, ela deve ser desenhada com um material adequado que não cause sensação de calor ou coceira na zona cervical.

  • Suporte lombar

Atenção, aqui não se fala unicamente no encosto da cadeira e sim em uma parte especial: o suporte das costas a nível lombar. Este suporte deve estar incluído na estrutura da cadeira. Ele precisa ser regulável permitindo um bom suporte para esta área tão delicada da coluna. Outra alternativa é que este suporte seja independente, isto é que possa ser regulado em termos de altura e profundidade permitindo um melhor ajuste na zona lombar. Uma boa dica é escolher uma cadeira com assento e suporte reclinável, isso possibilita momentos de descanso mesmo dentro do escritório.

Além dos pontos primordiais citados acima, uma cadeira ergométrica de boa qualidade deve contar com uma base com rodas de poliuretano, isso permite movimentos amplos e rápidos. Outro ponto importante são os apoios para os braços, eles devem ser feitos em material resistente, porém confortável. Tomando as devidas precauções e considerando suas características, fica mais fácil reconhecer uma cadeira ergométrica e optar pelo melhor modelo para o escritório.